Marcão diz que Prefeito de Rio Tinto é Desequilibrado: Pare de perseguir as pessoas

Na tarde desta segunda-feira (15), o ex-vice prefeito de Rio Tinto, Marcos Aurélio (Marcão), durante uma participação ao vivo no Jornal Interativo da rádio Interação FM, fez duras críticas à gestão do prefeito Fernando Naia e ao modo com que o mesmo vêm conduzindo a máquina pública. Segundo Marcão, Naia persegue os funcionários em pleno ano eleitoral ao invés de trabalhar pela população.

Por telefone, Marcão chamou o prefeito de desequilibrado e afirmou que o mesmo gosta de desmoralizar as pessoas.

"O que esse prefeito está fazendo é uma perseguição política. Vá trabalhar! Não sabe fazer gestão. Desequilibrado. Isso é uma Vergonha, rapaz. Vá ser um gestor. Deixe de sua mesquinheza de estar perseguindo e pare de fazer politica o tempo todo. E nem política você sabe fazer."

Marcão lembrou do momento em que o mundo passa com a pandemia e lamentou que isso esteja sendo usado para fins políticos mesquinhos.

"Nós estamos vivendo uma situação de pandemia e esse prefeito fica preocupado em fazer maldade? É um perseguidor. Vá trabalha, desenvolva ações. A população está precisando." Disse.

O ex-vice prefeito ainda ressaltou que "nunca, ninguém atrapalhou a gestão do prefeito Fernando Naia. Porém o prefeito insiste em dizer que a oposição vive perseguindo ele, mas que durante esses anos ele ficou à vontade para trabalhar e mostrar serviço, mas não fez". Marcão citou como exemplo o Pronto Atendimento de Rio Tinto, que atende muito mal a população e deixa muito a desejar (que inclusive, viralizou nas redes sociais através de vídeo divulgado, onde aparece o piso quebrado e paredes manchadas sem pitura).

O ex-vice prefeito fez o desabafo enquanto comentava um Processo Administrativo movido contra o Guarda Municipal, Israel Barros, que é seu cunhado. Segundo informações, estaria havendo uma perseguição política ao guarda, uma vez que Israel e o guarda Anderson trabalharam na barreira sanitária, em Salema, motivo contestado pela gestão ao alegar que ambos não trabalharam dentro das conformidades, abrindo então um processo administrativo contra o servidor.

O radialista Edson Sousa se dispôs a ser testemunhas de Israel no processo e, após grande repercussão e revolta, vários ouvintes pediram para serem colocados, também, como testemunhas do guarda municipal.

Blog do Jhordan Paes